Otimismo

Se as pessoas fossem como os animais

Se as pessoas fossem como os animais Comentários desativados em Se as pessoas fossem como os animais

Se as pessoas fossem como This allows you to play blackjack and other  <a href=casino games you might enjoy. os animais” src=”http://www.circulodobem.com/wp-content/uploads/2013/05/416898_299352400179615_892077001_n.jpg” width=”500″ height=”239″ />

Frase sábia

Frase sábia Comentários desativados em Frase sábia

Frase sábia

O segredo de uma vida feliz – por Odie

O segredo de uma vida feliz – por Odie Comentários desativados em O segredo de uma vida feliz – por Odie

O segredo de uma vida feliz - por Odie

A mãe da gente

A mãe da gente Comentários desativados em A mãe da gente

Não gosto de escrever sobre ou em datas especiais, mas desta vez falo dessa singular criatura que é a mãe da gente, e dessa mais singular ainda relação entre nós e ela. Entre ela e nós? Hà discrepâncias iniciais: o que sentimos e pensamos não coincide, em geral, com o que ela sente e pensa. Um dos dramas humanos é a distância entre a intenção de quem disse a palavra ou fez o gesto, o olhar, e quem os recebeu e tantas vezes interpretou erradamente, guardando mágoas das quais o causador nunca teve a menor ideia, muito menos intenção.
A intensidade com que sentimentos e cultura caracterizam e oneram as relações humanas, sobretudo essa, de mães e filhos, pode ser pungente. Algumas brincadeiras bobas não são tão bobas: “Mãe de mais, vira mimado; mãe de menos, fica revoltado”. Peso excessivo se coloca sobre os ombros de mãe, e de pai também. Se uma boa família, isto é, razoavelmente saudável, em que corra mais forte o rio do afeto e da alegria do que o da frieza e do rancor, tende a produzir indivíduos emocionalmente mais saudáveis, a regra tem muitas exceções. Boas famílias podem conter filhos neuróticos, violentos, drogados, e famílias disfuncionais podem produzir gente equilibrada, positiva, produtiva.Partindo do princípio de que relações são complicadas, ter um filho mais incrível experiência humana), ter de (ou querer) criá-lo para que seja feliz (seja lá o que isso significa), cuidar de sua saúde, seu desenvolvimento, dar-lhe afeto, bom ambiente, encontrar o dificílimo equilíbrio entre vigiar (pois quem ama cuida) e liberar (para que se desenvolva), é tarefa gigantesca. Que a mais simples mãe do mundo pode realizar sem se dar conta, e na qual a mais sofisticada mãe pode falhar de maneira estrondosa, dando-se conta disso, ou jamais pensando nisso.
Neste universo de contradições, pressões, exigências, variedades e ansiedade em que andamos metidos, qualquer tarefa fica mais difícil, que dirá a de manter, concreta e emocionalmente, uma família numa relação boa dentro do possível. Os compromissos de pais e mães se avolumam, as necessidades e exigências de filhos e filhas se multiplicam, as ofertas se abrem como bocas devoradoras, o stress, a pressa, a multiplicidade de tudo, nos deixam pouco tempo físico para conviver com alegria ou escutar com atenção, e pouca disponibilidade psíquica: também pais e mães estão aflitos.

Se antes o pai chegava em casa à noite cansado, querendo jantar, ler o jornal, olhar um pouco os filhos e a mulher descansar, hoje chegam exaustos os dois: a mãe, além disso, pela constituição biopsíquica com que a dotou a mãe natureza (para preservação da espécie), e pela culpa que nossa cultura lhe impõe (ou é uma culpa natural e inevitável), chega duplamente sobrecarregada. Incluam-se aqui tarefas que parecem banais, como olhar roupa, comida, questões escolares dos filhos, embora hoje uma parcela crescente de pais tenha entendido que, não sendo nem retardados nem deficientes físicos (ou mesmo sendo), podem assumir e curtir esses pequenos grandes trabalhos.

A mãe da gente é aquela que nos controla e assim nos salva e nos atormenta; e nos aguenta mesmo quando estamos mal-humorados, exigentes e chatos, mas também algumas vezes perde a calma e grita, ou chora. Mãe da gente é aquela que nos oprime e nos alivia por estar ali; que nos cuida, às vezes demais, e se não cuida a gente faz bobagem; é a que se queixa de que lhe damos pouca bola, não ligamos para seus esforços, e, mais tarde, de que quase não a visitamos; é aquela que só dorme quando sabe que a gente está em casa, e chegou bem; a que levanta da cama altas horas para pegar a gente numa festa quando o pai não está ou não existe, ou já fez isso vezes demais.
A mãe da gente é o mais inevitável, inefugível, imprescindível, amável, às vezes exasperante e carente ser que, seja qual for a nossa idade, cultura, país, etnia, classe social ou cultura, nos fará a mais dramática e pungente falta quando um dia nos dermos conta de que já não temos ninguém a quem chamar “mãe”.

Autora: Lya Luft
A mãe da gente

Resumo da Semana Comentários desativados em Resumo da Semana

De 22/04 a 28/04

As mulheres são mais bonitas do que pensam

A cachorrinha solidária

Pense fora da caixa

Livro “Pai rico, pai pobre”

Uma mente aberta

 

 

Resumo da Semana Comentários desativados em Resumo da Semana

De 15/04 a 21/04

Vítima de câncer dá dicas de beleza

Dinheiro pode comprar felicidade?

Apenas ouça

Livro “Agapinho – Ágape para crianças”

Para viver feliz

Para viver feliz

Para viver feliz Comentários desativados em Para viver feliz

Para viver feliz

Resumo da Semana Comentários desativados em Resumo da Semana

De 08/04 a 14/04

Arte para matar a fome

Educar o coração

Para reclamações digite 2

Livro “Transformando suor em ouro”

Poeme-se

 

Para reclamações digite 2

Para reclamações digite 2 Comentários desativados em Para reclamações digite 2

Para reclamações digite 2

Arte para matar a fome

Arte para matar a fome Comentários desativados em Arte para matar a fome

Uma ONG americana chamada Canstruction, patrocina competições de designs que usam como matéria-prima latas de mantimentos doadas. Essas latas são transformadas em obras de arte fantásticas.

Arte para matar a fome 1

A competição vai passando de cidade em cidade, já foram 140 ao redor do mundo e 15 mil toneladas de alimentos foram arrecadados. Em cada cidade que passa as melhores esculturas são escolhidas pela população através de votação.

Arte para matar a fome 2

Os mantimentos arrecadados são destinados à pessoas necessitadas, no mês de fevereiro a Canstruction passou por Kansas, onde a doação foi para as vítimas do Furacão Sandy.

Arte para matar a fome 3

Arte para matar a fome 4

Arte para matar a fome 5Arte para matar a fome 6

Resumo da Semana Comentários desativados em Resumo da Semana

De 01/04 a 07/04

Jovem em estado terminal faz lista de desejos

Precisamos nos disfarçar pra chegar mais perto?

Lambuse-ze

Livro “Desperte o milionário que há em você”

Melhore sua qualidade de vida

 

Lambuze-se

Lambuze-se Comentários desativados em Lambuze-se

Lambuze-se

Resumo da Semana Comentários desativados em Resumo da Semana

De 25/03 a 31/03

Garoto de 10 anos cria empresa de reciclagem

A História da Páscoa

Felicidade simples

Livro “Mentes Brilhantes”

Frase de Páscoa do Einstein

 

Felicidade simples

Felicidade simples Comentários desativados em Felicidade simples

“Há duas épocas na vida, infância e velhice, em que a felicidade está numa caixa de bombons.”
Felicidade simples

Carlos Drummond de Andrade

Resumo da Semana Comentários desativados em Resumo da Semana

De 18/03 a 24/03

A maior bronca que já levei

Conectados com a natureza

Viver a Páscoa

Livro “Kafka para sobrecarregados”

Keep Calm

 

 

 

 

Resumo da Semana Comentários desativados em Resumo da Semana

De 11/03 a 17/03

Bombeiros se recusam a despejar idosa de casa

Depoimento de Winning at blackjack by following this system is not only assured, it allows one to learn the nuances of the game. Chorão

Razões para acreditar

Assuma

Livro “Mulheres inteligentes, relações saudáveis”

Recomeçar

Razões para acreditar Comentários desativados em Razões para acreditar

A Coca-Cola mostra em uma de suas propagandas que ainda existem razões para acreditar que o mundo tem salvação.

Bombeiros se recusam a despejar idosa de casa

Bombeiros se recusam a despejar idosa de casa Comentários desativados em Bombeiros se recusam a despejar idosa de casa

Na cidade de Coruna, na Espanha, Aurellia Rey, de 85 anos estava prestes a ser despejada por não ter pago o aluguel da casa em que morava. O aluguel tinha o valor de 126 euros e ela vivia de uma pensão de 356 euros por mês.

A notícia do despejo da senhora reuniu cerca de 200 pessoas com o objetivo de impedir tal crueldade e nem os bombeiros ficaram de fora. Eles tinham ordem de quebrar as correntes do portão e tirar a senhora da casa, mas quebraram as That sentiment might bode well for that online poker and blackjack mobile.the-best-casinos-online.info/blackjack.php bill that condition Repetition. regras e ao invés de cumprirem a ordem eles pintaram um cartaz com a frase “Resgatamos as pessoas, não os bancos.”

O prefeito da cidade disse que empreenderá ações contra os bombeiros e que a solução para o problema de Aurellia é colocá-la em um asilo, mas o ato de heroísmo dos bombeiros ficará marcado para sempre.

Resgatamos pessoas, não bancos

Resumo da Semana Comentários desativados em Resumo da Semana

De 04/03 a 10/03

Formas de se manter criativo

Enfrentando lobos

Frase de Chorão

Livro “Eu não consigo emagrecer”

Sucesso

Dia da Mulher

Só mulher entende

Resumo da Semana Comentários desativados em Resumo da Semana

De 25/02 a 03/03

Momentos

Simples assim

Liberdade

Livro “Por que os homens amam as mulheres poderosas?”

Haja hoje

Gina tem razão