Resumo da Semana Comentários desativados em Resumo da Semana

De 13/05 a 19/05

Olhe para cima

Compartilhar felicidade

Por uma educação que nos ajude a pensar

1980/2013

Livro “Receber com Charme”

O que é simplicidade

 

 

O que é simplicidade

O que é simplicidade Comentários desativados em O que é simplicidade

O que é VirgoAugust 23 - September 22 <a href=virgo horoscope is the sixth sign of the zodiac, to be exact, and that’s the way Virgos like it: exacting. simplicidade” src=”http://www.circulodobem.com/wp-content/uploads/2013/05/552706_427170010630251_392251510788768_1806857_826592175_n.jpg” width=”500″ height=”291″ />

Livro “Receber com Charme”

Livro “Receber com Charme” Comentários desativados em Livro “Receber com Charme”

Receber com CharmeComposta de uma série de compilações das revistas Casa e Jardim e Casa e Comida, ambas da editora Globo, “Receber com charme” trás diversas matérias, dicas, cardápios e receitas para ajudar o leitor a preparar-se quando fizer algum tipo de evento em sua casa. Com ao todo dez capítulos e 288 páginas ricamente ilustradas, com indicações de chefs, arquitetos, decoradores e especialistas no assunto, “Receber com Charme” é um verdadeiro manuaç de como organizar eventos sem se extressar, eventos estes que vão desde simples churrascos e jantares com os amigos até uma grande festa de aniversário. Compilados de uma seção de mesmo nome das revistas “Casa e Jardim” e “Casa e Comida”, publicadas pela editora Globo, “Receber com Charme” é uma ótima pedida para todos aqueles que gostam de receber e recepcionar bem os amigos em suas casas.

1980/2013

1980/2013 Comentários desativados em 1980/2013

1980/2013

Por uma educação que nos ajude a pensar

Por uma educação que nos ajude a pensar Comentários desativados em Por uma educação que nos ajude a pensar

Por uma educação que nos ajude a pensar

Compartilhar felicidade Comentários desativados em Compartilhar felicidade

Dizem que nós, seres humanos, somos egoístas. A Kibon resolveu provar o contrário.

Olhe para cima

Olhe para cima Comentários desativados em Olhe para cima

Certa vez um jovem marinheiro teve que subir ao mastro durante uma tempestade. As ondas levantavam o barco para alturas estonteantes e logo em seguida jogavam-no para profundezas abismais. O jovem marujo começou a sentir vertigem e estava quase caindo. O capitão gritou: “Moço, olhe para cima!” De maneira decidida, o marinheiro desviou o olhar das ondas ameaçadoras e olhou para cima. Ele conseguiu subir com segurança e executar a sua tarefa. Quando os dias de tribulação revolvem a nossa vida, quando as tempestades da vida nos confundem, perdemos o equilíbrio e somos ameaçados de despencar. Entretanto se desviar-nos nosso olhar dos perigos e olharmos para o ajudante, se buscarmos a face do Senhor em oração e agarrarmos a sua poderosa mão, nosso coração se aquietará. Receberemos força e paz para podermos executar as nossas tarefas em meio as tempestades e finalmente seremos vitoriosos.

Olhe para cima

Resumo da Semana Comentários desativados em Resumo da Semana

De 06/05 a 12/05

Casais juntos há mais de 50 anos

A mãe da gente

Como nasce uma mãe

O que é ser mãe

O segredo de uma vida feliz – por Odie

Livro “É tudo tão simples”

Amor de mãe e filho

Frase sábia

O trabalho mais difícil do mundo

 

 

 

Frase sábia

Frase sábia Comentários desativados em Frase sábia

Frase sábia

O trabalho mais difícil do mundo Comentários desativados em O trabalho mais difícil do mundo

Uma homenagem da P&G para quem executa o trabalho mais difícil do mundo, as mães.

Amor de mãe e filho Comentários desativados em Amor de mãe e filho

Nada pode explicar e a nada pode se comparar o amor que existe entre mãe e filhos, filhos e mães.

Livro "É Tudo Tão Simples"

Livro "É Tudo Tão Simples" Comentários desativados em Livro "É Tudo Tão Simples"

É tudo tão simplesOitavo livro da autora brasileira Danuza Leão, “É Tudo Tão Simples” é basicamente um livro de etiqueta em situações do dia a dia, ensinando desde de como se portar em uma viajem, até a como organizar um churrasco em casa. A vida anda tão complicada que, ao mesmo tempo que aceleramos para acompanhá-la, clamamos por alguém que nos ensine a por o online casinos pé no freio e a dar um tempo, a unir o belo, o bom e o funcional, sem que pra isso precisemos enlouquecer todos os dias, e é nessa história que Danuza Leão nos ensina a como manter a compostura e educação. Este livro da jornalista e escritora pode ser até considerado um manual chique de como ser simples. Ela ensina o charme independe de classes sociais e dá um conjunto de dicas necessárias para se viver bem. Com orientações que vão desde como agir na primeira viagem à Europa, passando por etiqueta na internet, até como montar um churrasco, Danuza mostra, em um texto gostoso de ler, que a vida tem tudo para ser mais simples. “É Tudo Tão Simples” é o oitavo livro de uma carreira literária muito bem-sucedida. Seus livros estão frequentemente na lista dos mais vendidos desde 1992, ano em que estreou com “Na Sala com Danuza”, sua obra mais famosa.

Mãe

Mãe Comentários desativados em Mãe

Mãe

O segredo de uma vida feliz – por Odie

O segredo de uma vida feliz – por Odie Comentários desativados em O segredo de uma vida feliz – por Odie

O segredo de uma vida feliz - por Odie

O que é ser mãe

O que é ser mãe Comentários desativados em O que é ser mãe

“O homem somente compreenderá a natureza quando entender o que é Ser Mãe. O homem somente entenderá o que online slots é You should not take buy сialis online if you are allergic to tadalafil. ser Mãe quando deixar de ser homem.”

O que é ser mãe

(Albert Einstein)

Como nasce uma mãe Comentários desativados em Como nasce uma mãe

A Sadia colocou como tema de uma de suas propagandas a adoção, mas não uma mãe que adota um filho, um filho que adota a mãe. O vídeo mostra a relação de amor necessária para que haja respeito de um como outro e que não só a mãe faz nascer um filho, mas um filho faz nascer uma mãe.

A mãe da gente

A mãe da gente Comentários desativados em A mãe da gente

Não gosto de escrever sobre ou em datas especiais, mas desta vez falo dessa singular criatura que é a mãe da gente, e dessa mais singular ainda relação entre nós e ela. Entre ela e nós? Hà discrepâncias iniciais: o que sentimos e pensamos não coincide, em geral, com o que ela sente e pensa. Um dos dramas humanos é a distância entre a intenção de quem disse a palavra ou fez o gesto, o olhar, e quem os recebeu e tantas vezes interpretou erradamente, guardando mágoas das quais o causador nunca teve a menor ideia, muito menos intenção.
A intensidade com que sentimentos e cultura caracterizam e oneram as relações humanas, sobretudo essa, de mães e filhos, pode ser pungente. Algumas brincadeiras bobas não são tão bobas: “Mãe de mais, vira mimado; mãe de menos, fica revoltado”. Peso excessivo se coloca sobre os ombros de mãe, e de pai também. Se uma boa família, isto é, razoavelmente saudável, em que corra mais forte o rio do afeto e da alegria do que o da frieza e do rancor, tende a produzir indivíduos emocionalmente mais saudáveis, a regra tem muitas exceções. Boas famílias podem conter filhos neuróticos, violentos, drogados, e famílias disfuncionais podem produzir gente equilibrada, positiva, produtiva.Partindo do princípio de que relações são complicadas, ter um filho mais incrível experiência humana), ter de (ou querer) criá-lo para que seja feliz (seja lá o que isso significa), cuidar de sua saúde, seu desenvolvimento, dar-lhe afeto, bom ambiente, encontrar o dificílimo equilíbrio entre vigiar (pois quem ama cuida) e liberar (para que se desenvolva), é tarefa gigantesca. Que a mais simples mãe do mundo pode realizar sem se dar conta, e na qual a mais sofisticada mãe pode falhar de maneira estrondosa, dando-se conta disso, ou jamais pensando nisso.
Neste universo de contradições, pressões, exigências, variedades e ansiedade em que andamos metidos, qualquer tarefa fica mais difícil, que dirá a de manter, concreta e emocionalmente, uma família numa relação boa dentro do possível. Os compromissos de pais e mães se avolumam, as necessidades e exigências de filhos e filhas se multiplicam, as ofertas se abrem como bocas devoradoras, o stress, a pressa, a multiplicidade de tudo, nos deixam pouco tempo físico para conviver com alegria ou escutar com atenção, e pouca disponibilidade psíquica: também pais e mães estão aflitos.

Se antes o pai chegava em casa à noite cansado, querendo jantar, ler o jornal, olhar um pouco os filhos e a mulher descansar, hoje chegam exaustos os dois: a mãe, além disso, pela constituição biopsíquica com que a dotou a mãe natureza (para preservação da espécie), e pela culpa que nossa cultura lhe impõe (ou é uma culpa natural e inevitável), chega duplamente sobrecarregada. Incluam-se aqui tarefas que parecem banais, como olhar roupa, comida, questões escolares dos filhos, embora hoje uma parcela crescente de pais tenha entendido que, não sendo nem retardados nem deficientes físicos (ou mesmo sendo), podem assumir e curtir esses pequenos grandes trabalhos.

A mãe da gente é aquela que nos controla e assim nos salva e nos atormenta; e nos aguenta mesmo quando estamos mal-humorados, exigentes e chatos, mas também algumas vezes perde a calma e grita, ou chora. Mãe da gente é aquela que nos oprime e nos alivia por estar ali; que nos cuida, às vezes demais, e se não cuida a gente faz bobagem; é a que se queixa de que lhe damos pouca bola, não ligamos para seus esforços, e, mais tarde, de que quase não a visitamos; é aquela que só dorme quando sabe que a gente está em casa, e chegou bem; a que levanta da cama altas horas para pegar a gente numa festa quando o pai não está ou não existe, ou já fez isso vezes demais.
A mãe da gente é o mais inevitável, inefugível, imprescindível, amável, às vezes exasperante e carente ser que, seja qual for a nossa idade, cultura, país, etnia, classe social ou cultura, nos fará a mais dramática e pungente falta quando um dia nos dermos conta de que já não temos ninguém a quem chamar “mãe”.

Autora: Lya Luft
A mãe da gente

Casais juntos há mais de 50 anos Comentários desativados em Casais juntos há mais de 50 anos

Em meio a um tempo de brigas, traições e separações, casais com mais 50 anos de união são considerados uma raridade. Mas eles existem e acabam se tornando inspiração pra muita gente.

Com essa visão, a fotógrafa Laura Fleishman criou um projeto chamado “Love Ever After” em que ela fotografa casais juntos há pelo menos meio século. O projeto já virou até livro.

Junto com as fotos são colocados depoimentos sobre o amor do casal. Veja alguns:

“Na verdade, você não pensa no fato que estamos envelhecendo. Primeiro porque envelhecemos junto com o outro, e quando você vê muito uma pessoa, você não percebe esse tipo de mudança. Por exemplo, você não percebe que está com uma ruguinha aqui, e que no outro dia está um pouco maior. Não, esse tipo de coisa simplesmente acontece (…). Quero dizer, você não fica pensando todo dia, “oh, meu marido tem 83 anos, vai fazer 84, oh meu deus, estou casada com um homem velho.” E espero que ele pense da mesma forma do que eu.” (Angie Terranova, Nova York)

“A gente se conheceu num baile. Era janeiro de 1938. Meu amigo me convidou para a festa e disse que teria um monte de jovens bonitas. Um outro soldado de botas de cano alto se aproximou dela, mas como ela não gostava de botas desse tipo, ela disse não para ele. Eu fui o segundo a me aproximar dela, com uma roupa diferente, mas até hoje ainda não sei se foi a minha vestimenta ou o meu rosto que fez com que ela se sentisse atraída por mim.” (Yevgeniy Kissin, Brooklyn)

“Agora eu vou fazer 88 anos. Minha esposa tem 85 anos, e eu só espero viver mais uns 5 ou 6 anos de vida. Isso é tudo o que queremos. A gente não quer viver muito mais. Na verdade, eu sempre disse para minha mulher que eu queria chegar nos 94. É a meta da minha existência. Eu adoraria ver meu neto trabalhando e minha neta se casando. A gente quer que eles sejam tão felizes quanto nós fomos.” (Moses Rubenstein, Brooklyn)

“Pouco a pouco a gente vai envelhecendo, mas nada muda em nossos corações. O amor se fortalece. É assim que eu sinto. E acho que ele sente o mesmo. Sim, ele foi meu primeiro amor. Meu primeiro e último amor.” (Leila Ramos, Brooklyn)

“A gente se conheceu antes da guerra, mas nunca havíamos nos falado. Ele estava com outras mulheres, porque ele era muito, muito mais velho do que eu. E ele era muito bonito! Era mais alto e era dono de um lugar onde fazia ternos. Quando voltamos da guerra ele foi à casa da minha irmã, e eu estava passando um tempo com ela. Em agosto, faremos 63 anos de casados. Posso dizer que o amor veio pouco a pouco, não de uma vez só. Éramos jovens e ele era muito mais velho do que eu, mas eu gostava dele. Ele falava comigo de um jeito muito agradável.” (Golda Pollac,  Brooklyn)

“Qual o segredo do amor? Um segredo é um segredo, e eu não revelo meus segredos!” (Ykov Shapirshteyn, Brighton Beach, Brooklyn.)

“Eu estava com problemas na escola porque tinha que fazer um trabalho sobre música e eu nunca tinha escrito nada sobre música. Minha mãe então sugeriu que eu fosse falar com David, porque ele sabia muito de música. Então fui lá com a esperança de que ele aceitasse escrever para mim! Mas ele disse não, eu te ajudo, mas você tem que escrever o trabalho. Ele sempre foi muito exigente. Depois que escrevemos o texto juntos, ele me convidou para ir a uma festa de um de seus amigos do exército. Sabe, eu nunca tinha olhado para ele com segundas intenções. E ele olhou para mim da forma que um homem que acabou de sair do exército olharia para qualquer mulher sexy” (Gloria Holtzman, Brooklyn)

Resumo da Semana Comentários desativados em Resumo da Semana

De 29/04 a 05/05

Fotógrafo faz série da avó com seu galo para tirá-la da depressão

Momentos de felicidade

O problema do mundo de hoje

de-beste-online-casinos.info geld dat het Royaal casino de-beste-online-casinos.info zo nu en dan weggeeft bedraagt € 10,-. Voltaire” href=”http://www.circulodobem.com/frases-motivacionais/dia-do-trabalho/” target=”_blank”>Dia do trabalho

Livro “Mentes Geniais”

Frase de George Orwell

Frase de George Orwell

Frase de George Orwell Comentários desativados em Frase de George Orwell

Frase de George Orwell